05 julho 2015

RITALINA - Polícia Federal está de olho nas compras irregulares

1 - RITALINA - Polícia Federal está de olho nas compras irregulares de ritalinaMedicamento que melhora a concentração virou febre entre estudantes. Remédios podem ser falsificados ou roubados.

 

 

 

 

 

GRUPO 2 70x55

Muito material GRÁTIS para download no MAIOR e MELHOR grupo de estudos do Facebook (185 mil membros): https://www.facebook.com/groups/gabaritofinal/

A negociação de vendedores de remédios e estudantes de cursinhos e de universidades está se tornando cada vez mais comum. Por trás de uma rotina exaustiva de estudos um segredo para dar conta dessa maratona. Eles estão turbinando o cérebro com o uso de um remédio altamente controlado, que tem o efeito parecido com o da cocaína.

Mas quais são as consequências disso? Quais são os perigos de se arriscar tanto pelo emprego dos sonhos ou uma vaga na faculdade? “Hoje tem praticamente uma febre entre os estudantes de vestibular e concurso público com essa crença de que tal substância vai melhorar a chance de ele ser aprovado no concurso. Isso não é verdade”, disse o psiquiatra Marcos Zaleski.

Conheça o mais novo site de questões. Gratuito e ilimitado: www.questaocerta.com QC para email 600x204

O remédio conhecido como Ritalina tem como princípio ativo o metilfenidato, recomendado para quem tem transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. A substância eleva os níveis de dopamina, que é um neurotransmissor associado ao prazer, estimula a atividade cerebral e aumenta a capacidade  de concentração.

O problema é que tem muita gente se automedicando e recorrendo ao mercado negro para conseguir o produto. Em uma rede social, uma mulher da Bahia oferece Ritalina a pronta entrega. “ Há grandes possibilidades de ser o medicamento falsificado ou resultado de cargas roubadas, que não se tem ideia de como foi armazenado”, declarou Raquel Bittencourt, diretora da Vigilância Sanitária de Santa Catarina.

Saiba mais sobre a Ritalina neste ARTIGO:

Remédio podem ser enviados pelos Correios, desde que acompanhados e nota fiscal e de receita médica. Mas nem sempre é o que acontece. “Nós não temos estrutura suficiente para dar conta disso”, afirmou Gustavo Trevisan, delegado da Polícia Federal.

O Ministério da Saúde não tem um levantamento sobre o uso da Ritalina por região, mas uma pesquisa da Universidade estadual do Rio de Janeiro mostrou que o uso do medicamento cresceu quase  800% nos últimos dez anos no Brasil.

Fonte: G1


Curta nossa página e concorra a prêmios:

0 comentários :

Postar um comentário