16 agosto 2014

STF nega pedido de cotas para negros em concursos do Legislativo e do Judiciário.

3 - STF nega cotas em concursos do Legislativo e Judiciário 400x300Brasília - A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, rejeitou hoje (15) pedido do Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara) para que seja obrigatória a reserva de 20% das vagas para pardos e negros em concursos públicos do Legislativo e Judiciário.

 

 

 

feed 70x55Saiba tudo sobre concursos públicos:
Siga-nos no TWITTER: 
Curta no FACEBOOK: 

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento ao mandado de Segurança (MS) 33072 em que o Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara) solicitava que o Supremo determinasse a reserva de 20% das vagas para negros e pardos em concursos públicos dos poderes Legislativo e Judiciário. A decisão ressalta que o mandado de segurança não é o instrumento processual adequado para questionar a lei. Segundo a ministra, a concessão do mandado de segurança significaria interferência do STF no Legislativo.

A Lei nº 12.990/2014 foi publicada no dia 9 de junho e criou a reserva de 20% nas vagas em concursos públicos para pardos e negros em órgãos da administração federal, como autarquias, fundações, e empresas públicas. Ao recorrer ao STF, o instituto alegou que não foi feita justiça social, pelo fato de o Judiciário e o Legislativo não terem sido contemplados pela lei.

Na decisão, a ministra entendeu que cabe ao Poder Legislativo decidir em quais setores a reserva será aplicada. "Tampouco a impetração poderia ser admitida sob o argumento de violação a direito previsto no Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010), pois, como realçado na manifestação do procurador-geral da República, a lei não reserva 20% das vagas em concurso público aos negros, mas apenas a implementação de medidas visando à promoção da igualdade nas contratações do setor público, com a transferência do juízo de sua adequação aos órgãos competentes˜, disse Cármen Lúcia.

GRUPO 2 70x55Conheça o MAIOR e MELHOR grupo de estudos da internet (mais de 141.000 membros inscritos): https://www.facebook.com/groups/gabaritofinal/

A ministra ressaltou que a Constituição define ação específica, que não pode ser substituída pelo mandado de segurança. Segundo a decisão, o instituto não está entre os legitimados para propor ações de controle abstrato de constitucionalidade de lei ou de omissão legislativa.

A ministra Cármen Lúcia afastou também o argumento de violação a direito previsto no Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010), pois essa lei não reserva 20% das vagas em concurso público aos negros e somente dispõe sobre a implementação de medidas visando à promoção da igualdade das contratações do setor público, a cargo dos órgãos competentes. Essa circunstância, somada às demais, “evidencia a ausência de direito dotado da liquidez autorizadora do mandado de segurança”, informou a ministra.

Com a negativa de seguimento ao mandado de segurança, a ministra julgou prejudicada a liminar pedida pelo instituto, quanto à inclusão da cota para negros no próximo concurso para auditor e técnico federal de controle interno do Tribunal de Contas da União (TCU).


EMAIL 70x56Receba DICAS, MATERIAIS, NOTÍCIAS e PROMOÇÕES em apenas um email diário! Basta informar seu email AQUI.

11 comentários :

Finalmente alguém sensato nesse país!!!

Igualdade social com cotas em concursos?? Desde quando critério de conhecimento precisa-se de cotas, é valida somente para deficientes, estes sim precisam de uma oportunidade. Crescimento social - o Sol nasceu pra todos, mas a sombra é para quem conquista e não ganha.

O Remédio Constitucional ñ era por MS. Esse meio foi errado. Quem leu o texto viu q ñ é dessa maneira, mas sim pelo Legislativo.

Queria ter a saúde q um negro tem
Isso só aumenta a discriminação
Tenho mtos amigos negros e nem por isso eles se culpam pela cor

COTAS SINONIMO DE DESIGUALDADE SOCIAL ISSO SIM !

QUEREM REVER OS PROBLEMAS HISTORICOS? MELHOREM AS ESCOLAS !!

Até que enfim!!! Agora só falta derrubar essa lei de cotas que está em vigor.

Brancos são mais inteligentes que negros e pardos?

Apoiada Ministra!!! Se já existe uma boa porcentagem de cotas para "negros"( como se no Brasil existisse raça, somos todos iguais) então que estude muito para sair bem formado e passar nos concursos públicos

O Brasil tem um problema social. A reserva de cotas em instituições deveria ser para pessoas com histórico comprovado de pobreza: alunos de escolas públicas (como compensação do descaso do Estado) e trabalhadores rurais de baixa renda, por exemplo. Ora, ao tratar a questão pela ótica da pobreza, acaba por abranger equivalentemente os com ascendência negra pobre. Com uma pedrada, pega TODOS os coelhos.

O TOTAL DE COTAS DESTINADOS AOS NEGROS OU QUE ASSIM SE DECLARAREM - ATE AÍ OK, MAS O PERCENTUAL RESERVADO É MUITO IDENTICO AO PERCENTUAL RESERVADO AS PESSOAS QUE SOFREM PROBLEMAS FISICOS P.EX. SEM PERNAS E/OU SEM BRAÇO

Postar um comentário